Chapada Diamantina 1

19/09/2010 – domingo
1o Trecho – São Paulo (SP) – Campos dos Goytacazes (RJ)

Km rodados no dia – 722 km
Km total – 722 km

Colocamos as malas já arrumadas do dia anterior no carro, assim como os travesseiros, belisquetes pra viagem, etc. Eu, com minha mania de organização, tinha feito até lista de roupas e coisas que não podia esquecer em casa (e mesmo assim acabei esquecendo o fio-dental). Em São Paulo o tempo estava frio, mas a previsão para os lugares que visitaríamos na viagem variava de tempo chuvoso, sol de torrar e essas excentricidades do clima brasileiro, na mala levávamos desde agasalhos de fleece até saídas de praia.

Hoje rodamos boa parte do caminho, cerca de 1/3. Saímos de São Paulo às 9h40 e chegamos em Campos os Goytacazes às 20h00. Rodamos ao todo 722 km. Fizemos 2 paradas para comer, a primeira no Frango Assado da Ayrton Senna (um rápido café – R$ 12,00) e a segunda no Graal de Resende (Shopping Graal) – comida a quilo, cara e nem tão legal assim, pagamos R$ 37,50 pelo almoço dos dois + 1 chá + 1 café. Abastecemos também 2 vezes, deixando sempre uma reserva no tanque (1/2 tanque). Sabíamos que o combustível é muito mais caro quando se sai de São Paulo, então abastecemos a primeira vez na estrada mesmo antes da fronteira SP/Rio (R$ 1,45 o álcool). A segunda foi num posto Shell em São Gonçado (RJ), com o álcool a R$ 1,69. E esse seria um dos menores preços que encontraríamos no caminho todo a partir daí.

Ponte Rio-Niterói (RJ)

Depois de passar rapidamente pela cidade do Rio de Janeiro e deixar pra trás o emaranhado de viadutos e pontes, entramos na rodovia BR-101. A paisagem muda drasticamente depois de Rio Bonito (RJ), de montes de construções e morros pelados passa a uma verdejante serra, com o cheiro fresco de mato. Mas a pista é única e o asfalto é todo remendado, além do excesso de caminhões que pegamos, o que fez a velocidade média diminuir bastante.

Pasmem! Há 3 pedágios nesse trecho horroroso!! (R$ 2,60 cada) E tivemos trabalho pra ultrapassar as filas imensas de caminhões, que até hoje não contam com pista duplicada em nenhum trecho nessa estrada que cruza quase todo o país.

Chegando em Campos, nos hospedamos no Hotel Canaan, logo na primeira avenida da cidade, num quarto simplezinho, com banheiro velho e travesseiros ruins (ainda bem que levamos os nossos, que foram muito úteis em outros hotéis durante a viagem), pelo valor de R$ 110 (preço não condizente com a qualidade do quarto, que era o simples… talvez o quarto mais caro fosse melhor – como a foto no site do hotel), mas o atendimento foi simpaticíssimo e o quarto, apesar de simples, tinha um chuveiro bom, TV, frigobar e ar condicionado. Falaram pra gente que o hotel estava em reformas. (nota do hotel: 7).

Saímos pra jantar perto do hotel, já que não queríamos perder muito tempo procurando alguma coisa. O atendente do hotel falou que tinha 3 opções perto: uma churrascaria (de noite não rola), um Habib’s (carne de vaca, né?!) e uma pizzaria na rua de trás: Pizzaria e Churrascaria 2 Gaúchos. Resolvemos ir na pizzaria, pra nosso azar. O rodízio custava R$ 10,50 por pessoa, então não devíamos esperar grande coisa. As pizzas eram fraquinhas, com pouca cobertura e poucas opções. Não indico!

Só conseguimos dormir graças ao cansaço, pois como o hotel fica logo numa importante avenida na entrada da cidade, tinha muito barulho na rua. O café-da-manhã estava bem gostoso e com vários itens, frutas, etc. Tratamos de comer bem pra enfrentar o próximo trecho da viagem.

Nota do hotel: 6 | Nota do café da manhã: 7
Nota do jantar: 4

Hotel Canaan – Campos dos Goytacazes (RJ)

Veja também:
Chapada Diamantina 2
Chapada Diamantina 3

2 Responses to “Chapada Diamantina 1”


  1. 1 Mila F 13/10/2010 às 3:59 am

    Que menina organizada essa minha irmã! Anota os valores de tudo, de almoço a litro de combustível! E ainda dá nota pra tudo o que experimentou rs. Um dia ainda terei esse nível de organização, rs. E você já está mais do que apta a virar escritora de guia turístico.
    Beijão…

  2. 2 Leticia 16/10/2010 às 5:23 pm

    Também admiro a organização de dona Fabi. E a disposição de cruzar o mafuá fluminense, com esse custo-benefício de Tonga!

    Um beijo!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Aquariana de fevereiro de 1975. Ilustradora e designer gráfica. Fotógrafa amadora nas horas vagas. Amante dos animaizinhos e do turismo ecológico. Freqüentadora de teatros, cinemas, baladas, etc, etc. Como diria minha irmã, "uma quase especialista em um zilhão de coisas". O espírito inquieto não combina com a inércia. O mote é conhecer lugares novos, provar novos sabores, falar com gente interessante, ter novas experiências e compartilhar aqui. Conhecimento é o exercício permanente de provar novas coisas.

Páginas

Arquivos

Atualizações do Twitter

Coloque seu e-mail para receber novidades e notificações do Blog.

Junte-se a 4 outros seguidores


%d bloggers like this: